bggghjkkkk

bggghjkkkk

1 de novembro de 2015

O AMOR



Se perguntarmos na rua “é melhor amar ou não amar?”, provavelmente as respostas não variam muito: “é melhor amar”, “amar é bom”, “amar faz-nos bem”. Mas se a seguir perguntarmos “e o que é o amor?”, teremos quase tantas respostas diferentes quantas pessoas… “quem sabe é o coração!” Parece que nunca como hoje o amor foi tão enaltecido, falado, sublinhado, desejado, cantado, apresentado como a melhor coisa. Mas, provavelmente nunca como hoje, o ser humano se viu tão confuso e baralhado na hora de dizer o que é o amor. Nós sabemos! Não somos melhores que ninguém. Mas sabemos. O Senhor disse-nos o que é o verdadeiro amor. Disse e mostrou. Amou-nos. Ama-nos. Nós também dizemos que o amor é importante, o mais importante. Dizemos mais: Com Jesus sabemos que o amor entre nós será o sinal de que somos cristãos. Mas qual amor? Sermos boas pessoas, bem comportadas? Sermos amigos dos nossos amigos? Termos interesse e simpatia por quem sofre e precisa de nós? Tudo isso pode ser importante, mas Jesus o que diz é muito mais: é como Ele nos ama que somos chamados a amar-nos uns aos outros. Então a primeira coisa a fazer é calarmo-nos diante do seu amor por nós, contemplar esse amor, em silêncio de adoração. Como é possível um amor assim? Só dom, só oferta, só entrega de vida até dar a própria vida. Deus é amor. Isso vêmo-lo em Jesus. Ele não só nos tem o amor supremo, Ele é o Amor. E é com Ele que nós vamos percebendo cada vez mais como é o amor autêntico, verdadeiro. Não o amor das novelas, não o amor mesquinho, não o amor que espera retribuição. Dizem-nos Amar é dar e receber. Fica bem nos postais, mas é mentira. Amar é dar, amar é dar-se. Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida pelos que ama, disse e fez Jesus. E este mandamento que nos deixa – Como Eu vos amei… Amai-vos – aparece na altura em que Jesus já sabe que a sua morte estava para acontecer, aquela morte sofrida, mas ao mesmo tempo livre. Uma morte por amor, em amor, que o amor resgata, saindo vencedor para oferecer gratuitamente vida.  Como é o nosso amor? Um amor pequenino, calculista – dou para que me dês. Sempre misturado com grandes doses de egoísmo, à espera do aplauso, do reconhecimento e da retribuição. Mas esse não é o verdadeiro amor, o amor digno desse nome. Só Jesus tem esse amor puro e autêntico. E nós que queremos ser seus discípulos não podemos deixar de obedecer a este mandamento, porque sabemos que assim seremos felizes. O que fazer? Vamos aprender de Jesus? Mas o que Ele nos disse não foi para nos aproximarmos aos poucos do seu amor, da sua forma de amar… Disse para nos amarmos como Ele nos amou. Ai de nós! Como poderemos alguma vez amar assim, na medida da cruz, deixando-nos matar, se preciso for, por aqueles a quem somos chamados a amar? Será que Jesus brinca conosco? Será que é uma forma de dizer? Será apenas poesia? NÃO! É verdade, é possível amar assim… Se e só se Ele nos der o Seu amor. Se Ele puser no nosso coração o amor aos outros. Aos que são dos meus e aos que são dos outros. Aos que gostam de mim e aos que não gostam. Àqueles de quem eu gosto e aos que me são insuportáveis. Aos que me fazem bem e aos que me fazem mal. Aos amigos e aos inimigos. Ao longo da história quantos homens e mulheres experimentaram este amor, acolheram-no e, por isso, viveram-no com os outros! Foram chamas de amor para os outros, no serviço, no dom. Mas também hoje é possível este amor que tudo renova, que constrói e que salva. Esta Palavra é igualmente para os dias de hoje. É para qualquer um de nós. Não precisamos estar à espera de nenhum dia especial. Hoje mesmo somos chamados a escutar esta palavra e a acreditar que Jesus tem poder para fazer acontecer em nossas vidas. Melhor, só Ele pode cumprir esta palavra, só Ele tem o Espírito, Deus Amor, que derramado nos nossos corações nos faz amar até ao fim, ou seja, sempre e sem guardar nada para si próprio.
TRECHO DO LIVRO

Nenhum comentário:

Postar um comentário